Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A formiga no carreiro

A formiga no carreiro

30.Jan.08

Contratos Públicos: ajustes directos com limite máximo de 150 mil euros

De 75 mil euros para aquisição de bens móveis ou de serviços

Legislação entra em vigor a 30 de Julho

O novo Código dos Contratos Públicos, que entra em vigor a 30 de Julho, vai impor um limite máximo de 150 mil euros para os ajustes directos nas empreitadas de obras públicas. No que diz respeito aos contratos de aquisição de bens móveis ou de serviços, o tecto será de 75 mil euros.

«O limite máximo para os ajustes é de 150 mil euros», afirmou o secretário de Estado das Obras Públicas, Paulo Campos, à margem da apresentação do referido Código.

O responsável explicou também que esse valor é ainda mais elevado se a entidade adjudicante pertencer ao sector empresarial do estado, das regiões autónomas e das autarquias locais, bem como se for o Banco de Portugal. Estas podem utilizar este procedimento para a formação de contratos de empreitada de valor inferior a 1 milhão de euros e para contratos de aquisição de bens e serviços de valor inferior a 206 mil euros.

Para além disso, a nova legislação tem previstos concursos públicos de 24 horas, os Concursos Públicos Urgentes.

Paulo Campos salienta que o mais importante das alterações tem a ver com o facto de «qualquer português poder consultar na Internet a quem, quanto e em que condições são feitos os contratos da Administração Pública, ou seja, uma maior transparência e confiança». Isto porque, daqui a seis meses, será obrigatória realizar todos os procedimentos pré-contratuais via electrónica.

A legislação impõe agora que, nas obras públicas, sejam excluídas as propostas que apresentem um preço 40 por cento abaixo do preço base e que não tenham uma justificação para isso.

O novo documento vem ainda instituir que o saldo dos trabalhos a mais nas obras fique nos 5%. A única excepção ocorre nas obras marítimas e túneis para os quais fica fixado nos 25%.

 

Contratos Públicos: Novo Código já publicado em DR


Propostas 40% abaixo do preço base são excluídas

Ministro sublinha poupanças anuais de mais de 300 milhões

O novo Código dos Contratos Públicos, que estabelece regras para as empreitadas de obras públicas, foi esta terça-feira publicado em Diário da República (DR) e, de acordo com o ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, entrará em vigor dentro de seis meses.

«Unifica, simplifica e junta toda a legislação. Reduz a metade o número dos artigos e introduz directivas comunitárias muito importantes», diz Mário Lino, sublinha que o novo Código vai permitir poupanças de mais de 300 milhões de euros por ano.

O ministro explicou que a legislação impõe agora que, nas obras públicas, sejam excluídas as propostas que apresentem um preço 40 por cento abaixo do preço base e não tenham uma justificação para isso.

O novo documento vem ainda instituir que o saldo dos trabalhos a mais nas obras fique nos 5%. «Só pode haver trabalhos a mais até 5%. A única excepção ocorre nas obras marítimas e túneis para os quais fica fixado nos 25%», afirmou numa comissão no parlamento.

Para Mário Lino, o Código dos Contratos Públicos vem também «simplificar os concursos para as empreitadas.

Fonte http://www.agenciafinanceira.iol.pt/

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.