Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A formiga no carreiro

A formiga no carreiro

18.Fev.08

Administração Pública: Despesa cresceu 155 milhões

Privados lucram 958 milhões com o Estado.

O Governo tem feito da redução da despesa pública um dos seus cavalos de batalha, mas se tem conseguido fazer com que o aumento dos gastos com salários seja menor, o mesmo não se pode dizer em relação à aquisição de serviços. Entre 2006 e 2007 a despesa com remunerações aumentou 63 milhões de euros, ou seja, 0,8 por cento, enquanto os gastos com a aquisição de serviços subiu perto de 155 milhões de euros, isto é, 19,3 por cento.


Governo gasta 213,5 milhões com carros do Estado

Média de 7 mil euro/ano com cada um

PVE é composto por 28.948 veículos
O estado gasta em média 7 mil euros por ano em cada um dos 29 mil veículos que compõem o seu parque automóvel, mas estes números são estimativas, uma vez que nem o Governo conhece o valor exacto das despesas de manutenção e de combustíveis dos veículos da função pública, noticia o «Sol».

«O custo total estimado do Parque de Veículos do Estado (PVE) é de cerca de 213,5 milhões de euros, sendo o custo das viaturas ligeiras de aproximadamente 90 milhões de euros», disse ao mesmo jornal fonte oficial do ministério de Teixeira dos Santos.

A este valor acresce «o custo estimado com motoristas, multas, portagens e sinistros», que no «segmento de ligeiros ascende a 14,2 milhões de euros», concluiu o porta-voz.

O PVE é composto por 28.948 veículos, distribuídos pelas categorias de ligeiros (incluindo as viaturas da PSP e da GNR), pesados, motas e outros (ambulâncias, veículos de combate a incêndios).

Embora dispondo apenas de estimativas, é certo que os custos são elevados. Diz o «Sol» que, de acordo com fontes das finanças, tal deve-se à avançada idade média das viaturas do PVE, que ronda os doze anos.


Gastos com salários aumentaram 63 milhões de euros

O Governo tem feito da redução da despesa pública um dos seus cavalos de batalha, mas se tem conseguido fazer com que o aumento dos gastos com salários seja menor, o mesmo não se pode dizer em relação à aquisição de serviços.

Entre 2006 e 2007 a despesa com remunerações aumentou 63 milhões de euros, ou seja, 0,8 por cento, enquanto os gastos com a aquisição de serviços subiu perto de 155 milhões de euros, isto é, 19,3 por cento, diz o «Correio da Manhã».

Para o Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE), que fez as contas ao aumento da despesa com a aquisição de serviços, isto «revela a intensificação do recurso do Estado ao outsourcing, ou seja, a contratação de serviços a privados.

 

Conheça todos os pormenores na edição de Correio da Manhã de segunda-feira, 18 de Fevereiro de 2008.