Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A formiga no carreiro

A formiga no carreiro

07.Mar.08

Modelo dos docentes considerado mais favorável por Maria de Lurdes Rodrigues

Finanças não comentam comparações sobre avaliações de funcionários e de professores

O Ministério das Finanças escusou-se hoje a comentar as declarações da ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues, de que o modelo de avaliação dos professores “é mais simples e transparente” do que o da Função Pública.

“É um modelo exequível, que respeita as melhores práticas internacionais, que os protege [aos professores], que lhes dá mais vantagens”, referiu a titular da pasta da Educação, em entrevista ontem à noite na RTP1.

Em declarações à Lusa, fonte oficial do Ministério das Finanças escusou-se a comentar a afirmação de Maria de Lurdes Rodrigues, remetendo apenas para os comentários que tanto Teixeira dos Santos como o secretário de Estado da Administração Pública, João Figueiredo, têm feito sobre o sistema de avaliação na Função Pública.

Avaliação sem adiamento

Na entrevista à RTP1, a ministra rejeitou o adiamento da aplicação do sistema de avaliação dos professores (alvo de contestação em manifestações de docentes, que culminam amanhã em Lisboa), afirmando que o modelo proposto é melhor do que o que está a ser negociado com os sindicatos da Função Pública.

Sobre a onda de contestação dos docentes, a governante acusou os partidos políticos da oposição de se “colarem” aos protestos, aos sindicatos, considerando haver “evidentemente manipulação, aproveitamento político”.

Contudo, admitiu também existirem “professores do Partido Socialista descontentes”. “Há professores descontentes, que desconfiam do modelo. Mas apelo a que confiem nas escolas”, disse Maria de Lurdes Rodrigues, advogando que a contestação é fruto de “muita desinformação”.