Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A formiga no carreiro

A formiga no carreiro

31.Mai.13

Nobre dos Santos diz que há condições para avançar com greve geral

Dirigente da Frente Sindical da Administração Pública recorda que esta sexta-feira serão dadas novidades sobre a greve da função pública, que deverá acontecer a 27 de Junho.


Nobre dos Santos considera que há condições para as duas centrais sindicais avançarem para uma greve geral. O dirigente da Frente Sindical da Administração Pública (FESAP) e secretário-geral adjunto da UGT manifestou grande vontade de avançar para a greve geral, em convergência com a CGTP. Por sua vontade, disse, fazia o anúncio já amanhã. 

O sindicalista recordou que “a CGTP tem a comissão nacional amanhã e certamente haverá mais novidades”, considerando, no entanto, que o que falta para uma greve geral “é fazê-la. É só isso, mais nada”. 

Sobre a data de 27 Junho, avançada como possível para a greve apenas na função pública, Nobre dos Santos disse, à margem da conferência “Libertar Portugal da Austeridade”, que “todas as datas são boas quando há unidade na acção, quando os trabalhadores querem lutar”. 

As últimas propostas do Governo, apresentadas no início do mês pelo primeiro-ministro, incentivaram a unidade na acção entre as estruturas sindicais da UGT e da CGTP, como já não acontecia há algum tempo. 

A redução salarial, o aumento do horário de trabalho semanal das 35 paras as 40 horas, o aumento dos descontos para a ADSE, um novo sistema de mobilidade especial com limite de permanência e possibilidade de perda de vínculo laboral e a redução de trabalhadores por rescisão por mútuo acordo são os motivos da contestação. 

As estruturas sindicais da administração pública afectas à UGT e à CGTP já chegaram a acordo para realizar uma greve conjunta no final de Junho. Segundo confirmaram àRenascença diversas fontes sindicais, a data mais provável para a greve é 27 de Junho.

 



 

Passos não fala de greve e espera manutenção de concertação social

Estruturas sindicais da administração pública afectas à UGT e à CGTP já chegaram a acordo para realizar uma greve conjunta no final de Junho, mas Governo espera conseguir entendimento.


O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, recusou esta quinta-feira comentar uma eventual greve geral e afirmou esperar que o espírito de concertação social se possa manter, com “uma grande abertura” dos parceiros sociais para a resolução das dificuldades do país. 

“Não me cabe estar a fazer prematuramente qualquer observação sobre isso. A minha função como primeiro-ministro é a de trabalhar para que um entendimento tão alargado quanto possível com os parceiros sociais possa ser alcançado nas reformas difíceis que nós estamos a fazer”, afirmou Passos Coelho, à margem da inauguração de um hotel em Lisboa. 

As estruturas sindicais da administração pública afectas à UGT e à CGTP já chegaram a acordo para realizar uma greve conjunta no final de Junho. Lembrando que “várias vezes no passado conseguimos fechar acordos de concertação social”, o primeiro-ministro ministro espera que “esse espírito se possa manter”. 

Passos Coelho diz que a actual situação “é difícil” para os sindicatos e para os trabalhadores, mas também “não é fácil para o Governo”, sublinhando que “o país tem suportado custos muito elevados nos últimos dois anos”. 

Por isso, o primeiro-ministro espera “que haja uma grande abertura” por parte dos parceiros sociais para virem “ao encontro da resolução destas dificuldades, como o Governo pretende”. 

Depois de várias reuniões com o secretário de Estado da Administração Pública e de vários contactos entre si, a Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública (CGTP), a Federação Sindical da Administração Pública (UGT) e o Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (UGT) conseguiram entender-se para convergir num protesto geral. 

As três estruturas sindicais da administração pública deverão anunciar a greve e respectiva data na sexta-feira, dia em que a CGTP também deverá anunciar a realização de uma greve geral. A data mais provável para a greve da função pública é dia 27 de Junho.


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.