Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A formiga no carreiro

A formiga no carreiro

14.Out.13

José Luís Arnaut avança novos cortes que vão ser feitos nos salários dos funcionários públicos

No Conselho Superior da Antena1 desta manhã, José Luís Arnaut revela que os salários na Função Pública vão ter cortes salariais em determinados segmentos em 2014, detalhando os valores que terão sido fechados este domingo na reunião do Conselho de Ministros para substituir os cortes atuais que vigoram desde 2011 e que são transitórios. A Antena1 apurou entretanto que o corte vai afetar funcionários públicos, trabalhadores de empresas públicas, altos dirigentes da Função Pública e juízes.

“Haverá um corte entre 2,5 a 12 por cento, um corte transitório que incidirá sobre todos os trabalhadores do setor empresarial do Estado, mas apenas aqueles que tenham salários superiores a 600 euros. Este é um corte que veio substituir o corte anterior que era de 3,5 a 10 para os rendimentos superiores a 1.500 euros. Portanto, é importante salientar que estes cortes são de substituição e não são cumulativos”, afirma José Luís Arnaut.

Em relação aos cortes nas pensões de sobrevivência, o social-democrata considera lamentável a fuga de informações e o facto de o Governo não ter reagido de imediato para travar os rumores sobre o corte nas pensões de sobrevivência, mas também critica os comentários que foram feitos e que assustaram as pessoas. 

“Muitas destas matérias não são novidade. Aliás, tem havido uma tentativa especulativa relativamente a algumas medidas e também com a atitude do Governo de não explicar as coisas e não atalhar com explicações de imediato tem-se especulado e assustado as pessoas. Isso é que é preciso combater”, afirma.

O antigo ministro-adjunto do primeiro-ministro Durão Barroso e ex-ministro das Cidades, Administração Local, Habitação e Desenvolvimento Regional no Governo de Santana Lopes defende que “já se verificou que relativamente às pensões de sobrevivência há um teto de 2.000 euros e é necessário acumular um conjunto de pensões, e portanto está esclarecido esse papão que foi criado”.

“É profundamente lamentável a forma como isto aconteceu, como houve a fuga, a não reação do Governo, mas também é lamentável as pessoas comentarem coisas que não sabem e assustarem as pessoas”, sublinha.

Em declarações ao jornalista Luís Soares, José Luís Arnaut destaca ainda que “todos os cortes que este Orçamento vai ter que ter são na área da despesa”.