Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A formiga no carreiro

A formiga no carreiro

15.Out.13

Governo prepara novos cortes nos salários da função pública

Tudo indica que os ordenados acima dos 600 euros já vão ser atingidos, com uma redução que deverá ser de 3,5 por cento. Já os salários brutos superiores a 2.000 euros na Função Pública vão levar um corte de 12 por cento no próximo ano. Quanto aos trabalhadores do Estado que ganham mais de 4 mil euros poderão sofrer um corte no salário de 15 por cento. Os valores já devem ter sido aprovados em Conselho de Ministros.

 


 

Cortes nos salários da função pública vão chegar aos 15%


 

Os salários entre os 600 e os dois mil euros deverão ter um corte entre 3,5 e 10 %, enquanto os que vão dos dois mil aos quatro mil euros poderão sofrer uma redução entre 12% e 15%. Acima dos quatro mil o corte será de 15%

 

Os cortes nos salários da função pública vão chegar aos 15%, avança a TSF, citando uma versão preliminar do Orçamento do Estado para 2014.

Esta versão foi aprovada na reunião do Conselho de Ministros deste domingo, segundo aquela rádio, e prevê que além do alargamento dos funcionários afectados com cortes salariais, que, no próximo ano começam a partir dos 600 euros, em vez dos 1500 euros brutos actuais.


As reduções serão progressivas, atingindo, no mínimo os 3,5% e no máximo os 15%.

Segundo a TSF, os salários entre os 600 e os dois mil euros deverão ter um corte entre 3,5 e 10 %, enquanto os que vão dos dois mil aos quatro mil euros poderão sofrer uma redução entre 12% e 15%. Acima dos quatro mil o corte será de 15%.

A versão preliminar da proposta abrange todos os funcionários do Estado, incluindo militares, governantes, deputados e juízes do constitucional, mas de acordo com a Estação exclui dois nomes: Cavaco Silva (Presidente da República) e Assunção Esteves (presidente da Assembleia da República), uma vez que ambos prescindiram dos salários para auferirem das suas pensões de reforma.

As reduções poderão, no entanto, não ficar por aqui, já que no final do texto o governo lembra que durante o ano de 2014 vai rever a tabela remuneratória da função pública, que pode levar a cortes adicionais.