Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A formiga no carreiro

A formiga no carreiro

21.Out.13

unção Pública: Rescisões alargam-se para cumprir meta

Governo admite novo programa de saídas voluntárias. Técnicos superiores são os próximos da lista


Com o programa de rescisões para assistentes técnicos e operacionais a conquistar menos funcionários públicos que o esperado, o governo já pensa em alargar as saídas voluntárias do Estado a outras carreiras: os técnicos superiores.


Funcionário público? Veja aqui como fica o salário em 2014

Os chamados ‘quadros da administração pública’ estão um pouco por todo o lado - são engenheiros, economistas, juristas, gestores de produto ou sociólogos - e representam a maior fatia do emprego no Estado logo depois dos assistentes técnicos e operacionais. De acordo com as Estatísticas do Emprego Público eram 50.904 em junho, o que representa 8,9% do total de trabalhadores do Estado. 


No programa que iniciou em setembro, e que se prolonga até final de novembro, o governo começou por facilitar as saídas do Estado às carreiras mais baixas - os assistentes técnicos e operacionais -, com o objetivo de conseguir uma redução entre cinco e 15 mil trabalhadores e, com eles, uma redução dos gastos em salários (102 milhões de euros). No entanto, a meta esperada está longe do número de pedidos que já deram entrada na Direção Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP) e que nem chegava aos mil trabalhadores no início de outubro. 


“Parece ser necessário continuar o processo devido à pouca procura e excesso de pessoas na administração pública”, afirma Tiago Caiado Guerreiro. E o fiscalista acredita que a procura vai aumentar: “O Orçamento do Estado é um convite a estas novas saídas”. De facto, os funcionários públicos, a par dos pensionistas, serão os maiores visados pelos cortes na despesa do Estado, a começar a 1 de janeiro. “O não ajustamento salarial pela inflação, o aumento do horário de trabalho e os cortes salariais vêm no momento certo” para quem precisa de “um incentivo” para a saída, lembra o fiscalista. E não é só: a seguir os mesmos moldes do programa atual, o novo processo também trará vantagens que passam pela entrega de até salário e meio por cada ano de trabalho.