Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A formiga no carreiro

A formiga no carreiro

19.Nov.20

FESAP não tem conhecimento de mobilização funcionários públicos para rastreios

José Abraão considera que está em causa a proteção de dados dos doentes e defende que para fazer esse trabalho específico deviam ser contratadas outras pessoas.

Governo anunciou - e no decreto que determina o estado de Emergência está previsto - que os trabalhadores da administração pública e docentes sem componente letiva que estejam em isolamento profilático podem ser recrutados para fazer inquéritos epidemiológicos e rastrear doentes com Covid-19. Mas, por enquanto, a FESAP (Federação dos Sindicatos da Administração Pública) não tem conhecimento de funcionários mobilizados para essas funções.

"Até agora não temos conhecimento, nem por contactos nem de outra forma, que tenham sido mobilizados trabalhadores para fazer rastreios ou outro tipo de funções" diz o dirigente da FESAP, José Abraão.

José Abraão considera que está em causa a proteção de dados dos doentes e defende que para fazer esse trabalho específico deviam ser contratadas outras pessoas.

"A FESAP sempre tem dito que era possível utilizar trabalhadores desempregados no desempenho destas funções. Faria todo o sentido que houvesse um recrutamento para que pusessem essas pessoas a fazer um trabalho, suprindo as necessidades permanentes dos serviços e estas que agora são acrescidas pela situação sanitária que vivemos", sustenta.

Fonte TSF