Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A formiga no carreiro

A formiga no carreiro

08.Jun.20

Fesap quer integração de precários da educação à semelhança da saúde

Sindicato falou ainda dos aumentos salariais previstos para 2021, mas deixou a discussão para altura do Orçamento do Estado.

A Federação dos Sindicatos da Administração Pública (Fesap) quer que os precários no setor da educação também sejam integrados à semelhança do que vai acontecer com a saúde.

“Quisemos saber se, depois da garantia que foi dada pela ministra da Saúde, que seriam admitidos com caráter permanente cerca de 2700 trabalhadores que já estão em funções em consequência da pandemia que fossem também integrados os trabalhadores da educação que são alguns milhares que estão já contratos há uns tempos”, indicou o secretário-geral daquela estrutura sindical depois da reunião desta manhã com o ministra da Administração Pública, Alexandra Leitão.

Para José Abraão trata-se de “resolver e atacar a questão da precariedade” no Estado, onde ainda decorrem processos para a integração de trabalhadores com vínculos precários, no âmbito do Programa de Regularização (PREVPAP). De acordo com o programa de estabilização económico e social (PEES) apresentado pelo Governo, “prevê-se a contratação de profissionais de saúde para atividades de apoio e para a prestação direta de cuidados, sempre que possível, conferindo estabilidade no emprego”, estando em cima da mesa a integração de profissionais, entre enfermeiros, assistentes técnicos, operacionais e outros. Subsídio de risco Um dos temas em cima da mesa foi também a questão dos subsídios de risco, penosidade e insalubridade, que de acordo com o líder sindical “pode ter novos desenvolvimentos” em breve. “Voltamos a falar nessa questão quanto à necessidade de regulamentação e que seja dado um sinal aos trabalhadores dos serviços essenciais no sentido de algum reconhecimento, como noutros países, nomeadamente a França. É bom que se aplaudam os trabalhadores, mas com resultados concretos para responder às suas necessidades”, afirmou José Abraão.

Fonte Dinheiro Vivo