Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A formiga no carreiro

A formiga no carreiro

01.Set.16

Mais de 620 trabalhadores da Segurança Social acedem a carreiras superiores

Mobilidade intercarreiras

 

O procedimento de mobilidade intercarreiras, aprovado pelo Conselho Diretivo do Instituto da Segurança Social, I.P. (ISS) em junho passado, produz efeitos a partir de hoje, 1 de setembro, permitindo que mais de 620 trabalhadores acedam a carreiras superiores.

 

Esta é uma medida que o SINTAP considera muito positiva, uma vez que representa uma inversão na política de recursos humanos seguida no passado pelo Ministério do Trabalho, que evidencia deste modo uma aposta clara na valorização e reconhecimento dos trabalhadores que investem na sua formação.

 

Este procedimento permitirá que cerca de 450 trabalhadores que até agora estavam nas carreiras de assistente técnico e de assistente operacional, e que entretanto adquiriram licenciaturas, passem para a carreira de técnico superior.

 

Do mesmo modo, transitam para a carreira de assistente técnico mais de 170 assistentes operacionais que completaram o 12º ano de escolaridade.

 

O SINTAP aguarda a rápida abertura dos concursos que permitirão que todos estes trabalhadores se consolidem nas carreiras que agora ocupam, e que sejam brevemente resolvidos os poucos casos de trabalhadores que, não obstante preencherem os requisitos necessários, devido a necessidades pontuais dos serviços, não foram ainda abrangidos por esta medida.

 

Contudo, o SINTAP considera que este processo de valorização dos trabalhadores do ISS não poderá ficar por aqui, devendo também proceder-se ao descongelamento das carreiras dos cerca de 7000 trabalhadores cujo percurso profissional se encontra estagnado há largos anos.

 

A mobilidade intercarreiras é um importante instrumento de valorização profissional dos trabalhadores, que contribui, não só para a sua motivação e consequente aumento da produtividade, como também para impedir a saída de trabalhadores qualificados da Administração Pública por falta de incentivo e de oportunidades de progressão, devendo o exemplo do Ministério do Trabalho ser seguido pelos restantes ministérios.

 

 

Lisboa, 1 de setembro de 2016