Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A formiga no carreiro

A formiga no carreiro

19.Fev.15

Salários da função pública voltaram a cair 3,8% com regresso dos cortes

O regresso dos cortes salariais da Função Pública, em Setembro, resultaram numa redução média de 3,8% do valor da remuneração média dos trabalhadores do Estado. Os dados são da Direcção-Geral do Emprego Público (DGAEP) e foram publicados hoje.

Em Outubro, a remuneração média dos funcionários públicos era de 1.389,5 euros, que compara com 1.444,1 euros em Julho, indicam os dados da Síntese Estatística do Emprego Público (SIEP).

Já o ganho médio (que inclui suplementos remuneratórios) fixou-se em 1.659,4 euros, quando no trimestre anterior atingiu 1.515,9 euros, revelando uma diminuição de 3,4%. Em termos homólogos (face ao mesmo período do ano passado), em Outubro a remuneração média cresceu 0,6% e o ganho médio subiu 1%.

 

O valor das remunerações referentes a Julho de 2014 corresponde ao salário ainda com os cortes que entretanto foram chumbados pelo Tribunal Constitucional e que afectavam salários acima de 675 euros. Já os salários relativos a Outubro reflectem o regresso dos cortes de José Sócrates, que estiveram em vigor entre 2011 e 2013 e que abrangem remunerações acima de 1.500 euros.

Além disso, há a considerar os trabalhadores que recebem o salário mínimo, que também aumentou 20 euros. Quanto ao número de trabalhadores, a SIEP mostra que, em Dezembro, havia 655.620 funcionários públicos, revelando uma quebra de 2,7% em termos homólogos (menos 18.474 postos de trabalho) e de 9,8% face a Dezembro de 2011. Ou seja, em três anos saíram do Estado 71.365 trabalhadores.

 

Porém, comparando com o trimestre anterior, em Dezembro registouse um aumento do número de funcionários de 1,3% (ou 8.708 postos de trabalho) sobretudo "por efeito sazonal de novas contratações nos estabelecimentos de educação e ensino básico e secundário e de ensino superior do Ministério da Educação e Ciência, durante o quarto trimestre", adianta a DGAEP.