Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A formiga no carreiro

A formiga no carreiro

27.Jan.14

Sindicatos recusam horas extra pagas em descanso

A medida é uma das alterações do PSD e CDS à Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas. PS pode aceita, se decidida em contratação coletiva

 

O pagamento das horas extraordinárias em tempo de descanso em vez de dinheiro pelos organismos públicos, proposto pelo PSD e CDS-PP,  “é um ato leviano da parte dos deputados”, defendeu em declarações ao Dinheiro Vivo o coordenador da Federação dos Sindicatos da Administração Pública (FESAP), Nobre dos Santos. Já o PS admite apoiar a medida, caso esta seja remetida para a contratação coletiva.


“O primeiro empregador do País não se pode comportar como patrão de vão de escada, tem que ser exemplar e servir de farol aos outros empregadores”, afirmou o líder sindical, que classifica  a proposta dos deputados da maioria de “chico-espertice, porque pretende obter trabalho à borla”. E garante que é “uma perda de tempo”, porque os trabalhadores “não vão aceitar a medida e vai haver revolta”.

A substituição da remuneração do trabalho suplementar por descanso compensatório, desde que haja acordo entre o empregador público e o trabalhador, foi avançada ontem pelo jornal Público e é  uma das alterações do PSD e CDS-PP à Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas apresentada na sexta-feira no Parlamento, onde também deram entrada mais de 200 propostas de alteração ao diploma do PS, PCP e Bloco de Esquerda.

 

Também a Frente Comum dos Sindicatos da Administração Pública está contra a  troca do pagamento em dinheiro por tempo de descanso. “As pessoas quando fazem horas extraordinárias é porque precisam aumentar o seu rendimento, que é já muito pouco, não querem ser ressarcidas em tempo”,  justificou a coordenadora da frente sindical.

Ana Avoila receia que, mesmo que a proposta sujeite a  aplicação da medida à aceitação pelo trabalhador, com o tempo se torne numa prática comum. E considera que é  “um isco, uma forma enviesada de introduzir a adaptabilidade das horas de trabalho e o banco de horas”.

 

A presidente do Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado, Helena Rodrigues, é igualmente de opinião que “o que faz falta aos trabalhadores do Estado, depois dos cortes que tiveram, é dinheiro” e  está a guardar para conhecer a proposta em pormenor. “Parece-me mais uma nuvem de fumo para fazer aprovar algo pior; todos os dias somos surpreendidos e são sempre coisas muito más, apesar dos ‘milagres’ económicos”, disse.

 

PS admite apoiar
António Gameiro, deputado do PS,  sublinhou que os socialistas são “ideologicamente a favor da retribuição do trabalho em espécie e sempre com grandes reticências quando há uma alteração deste quadro”. Porém, disse, “caso esta medida seja remetida para a contratação coletiva”, o PS pode votar a favor. “Consideramos que os trabalhadores estão mais bem defendidos se a opção entre pagamento em dinheiro ou descanso compensatório esteja consagrada na contratação coletiva”.

 Jorge Machado, deputado do PCP,  está contra: “A proposta da maioria corta no pagamento e no descanso, por isso a opção dada prejudica os trabalhadores”.