Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A formiga no carreiro

A formiga no carreiro

25.Fev.15

SINTAP solicita reunião com o Secretário de Estado do Desporto e da Juventude

Novo processo de racionalização de efetivos é incompreensível

 

Tendo conhecimento do despacho emitido no passado dia 18 de fevereiro, relativo ao início de um processo de racionalização de efetivos no Instituto Português da Juventude e do Desporto I.P. (IPDJ), o SINTAP solicitou de imediato uma reunião com Emídio Guerreiro, Secretário de Estado do Desporto e da Juventude, e com o Conselho Diretivo do Instituto, para obter esclarecimentos acerca dos motivos que levam a fazer recair sobre os trabalhadores daquele organismo mais um injusto e estigmatizante processo.

 

Com efeito, e depois do processo, relativamente recente, que conduziu à criação do próprio IPDJ através da fusão do Instituto Português do Desporto e do Instituto Português da Juventude, e à colocação em regime de requalificação de trabalhadores, muitos dos quais foram integrados noutros serviços da Administração Pública, o SINTAP não encontra qualquer justificação para mais trabalhadores serem visados por processos que, como já todos percebemos, não passam de “desculpas esfarrapadas” para o Governo poupar mais “uns trocos” à custa dos trabalhadores.

 

O SINTAP insta por isso o Governo a dar uma resposta rápida ao seu pedido de reunião, para que toda esta situação seja esclarecida e o processo possa ser revertido.

 

Ao que tudo indica, o IPDJ pretende colocar 21 trabalhadores no regime de requalificação, não sendo de todo compreensível que tipo de problema de fundo poderá ser resolvido por essa via, que serviços poderão ser melhorados ou que poupança significativa será feita.

 

O SINTAP está convicto de que estes processos, efetuados sem justificação nem critério, procurando apenas cortar cegamente o número de efetivos, têm como único objetivo chegar aos 12 mil despedimentos na Administração Pública que o Governo se comprometeu a efetuar perante os credores internacionais e as instituições comunitárias.

 

Lisboa, 25 de fevereiro de 2015