Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A formiga no carreiro

A formiga no carreiro

04.Abr.14

Trabalhadores que praticam horário flexível têm dificuldade em justificar faltas

Instituto da Segurança Social

 

 

O SINTAP reuniu no passado dia 25 de março, com o Conselho Diretivo (CD) do Instituto da Segurança Social, IP (ISS), tendo em vista a clarificação de algumas das matérias que mais preocupam os trabalhadores do Instituto.

 

Na reunião, fomos informados que o concurso interno de 48 inspetores, iniciado há cerca de dois anos, estará agora em condições de avançar. No entanto, foi-nos dito que a entrada destes novos trabalhadores não resolve o problema das saídas, já que mais de 700 trabalhadores do Instituto aguardam o despacho de aposentação.

 

Por outro lado, foi-nos dada a garantia de que todos os trabalhadores que chegaram através do mecanismo de mobilidade entre órgãos e serviços terão a sua posição consolidada no Instituto em função da informação dada pelos respetivos dirigentes, que farão sempre uma análise caso a caso.

 

Relativamente aos problemas verificados nos serviços locais do ISS, o Conselho Diretivo informou o SINTAP que estes se deveram à migração do serviço telefónico, sendo que estes serviços (locais) deverão manter-se em todos os concelhos para melhor servir os utentes, promovendo assim serviços de proximidade.

 

O SINTAP alertou ainda para os problemas dos trabalhadores que praticam o regime de horário flexível, uma vez que estes têm sido penalizados por muitas vezes terem de justificar as ausências por motivo de doença e tratamento ambulatório para além das plataformas fixas. A este respeito, foi-nos dada a informação de que esta situação estaria ser corrigida.

 

Questionámos ainda o Conselho Diretivo do ISS acerca do concurso para os diretores distritais, que se encontra na CRFSAP, e que depois de concluído, dará lugar aos concursos para dirigentes e chefias.

 

Perto do final da reunião, o SINTAP colocou ao CD a questão relativa à revisão do ACEEP em vigor no Instituto e consequente redução do horário de trabalho para as trinta e cinco horas de trabalho por semana sendo que, a este respeito, fomos informados que o ISS aguarda instruções da tutela, não se mostrando muito recetivo com a proposta de regressar ao horário de 35 horas anteriormente em vigor.

 

 

Lisboa, 3 de abril de 2014